O livro do amanhã (Cecelia Ahern)

Nascida no luxo, Tamara Goodwin, de 16 anos, nunca precisou olhar para o amanhã, até que a morte abrupta de seu pai deixa a ela e a sua mãe uma montanha de dívidas e as obriga a se mudarem para a casa dos tios de Tamara, em um vilarejo no interior. Solitária e entediada, a única diversão de Tamara é uma biblioteca itinerante. E ali ela encontra um livro muito misterioso. Tamara vê inscrições com sua própria letra e datadas para o dia seguinte. Quando tudo acontece exatamente como o livro previa, ela percebe que pode ter encontrado a solução para seus problemas. No entanto. Tamara descobre que é melhor não virar algumas páginas e que, apesar de muito tentar, não pode mudar o destino.

Li O Livro do Amanhã há pouco mais de um ano e foi meu quarto livro de Cecelia Ahern. A autora ficou conhecida pelo sucesso de PS: Eu Te Amo, mas sua marca registrada são as histórias com um toque de fantasia e protagonistas femininas que fogem do padrão "mocinhas".

Embora eu não seja uma grande fã de fantasia, esse foi o primeiro ponto que me chamou a atenção. Desde que assisti Being Erica (aquela série que eu dou um jeito de encaixar no maior número de posts que puder), venho desenvolvendo certa obsessão por histórias que envolvem tempo, decisões, consequências. Porém, achei o início do livro muito lento e o que me prendeu foi o outro ponto que citei, a protagonista.

Eu tenho sérios problemas para gostar de protagonistas, especialmente quando são mulheres, porque o padrão de mocinha/heroína é chato. Mas, como eu disse antes, conhecendo a autora, eu já imaginava que não teria esse problema. Tamara é uma pessoa horrível (e eu amo pessoas horríveis). Ou, pelo menos, ela acha que é, ela diz que é, ela sofre por ser. Eu me identifiquei muito com ela, especialmente quando ela diz que facilita as despedidas ao fazer com que as pessoas a detestem. Só isso já me fez querer pegá-la no colo e tirá-la de perto de qualquer pessoa quisesse fazer-lhe mal - como a tia Rosaleen, que, além de infernizar a vida de Tamara com a justificativa de estar cuidando dela e da mãe, também ajuda a trazer o suspense para o livro.

Ao longo dos capítulos, o suspense acaba se tornando tão importante quanto o aspecto mágico da história. Apesar de ter lido já há bastante tempo, lembro-me de ficar o tempo todo bolando teorias e tentando entender o que realmente estava acontecendo. As coisas chegam a ficar assustadoras em alguns momentos e Tamara teve que ser bastante corajosa para seguir em frente. Acaba que o livro que prevê o futuro nem é tão relevante assim (e convém dizer que nenhuma explicação é dada sobre ele) se comparado a todas as outras revelações.

O Livro do Amanhã é quase uma novela mexicana. Algumas das minhas teorias até se aproximaram do que realmente aconteceu, mas a verdade é que, embora as pontas sejam amarradas decentemente, eu achei tudo muito louco e dramático demais. Não me arrependo de ter lido, não é um livro ruim e, para mim, o quanto eu consigo me identificar com um personagem sempre será mais importante do que os rumos da história. Embora não tenha se tornado um favorito, ainda passa uma mensagem positiva e me deixou com várias citações ótimas.

Aprendi algo importante naquela noite. Não se deve tentar impedir tudo de acontecer. Às vezes, devemos esperar ficar sem jeito. Às vezes, também, devemos aceitar a possibilidade de ficar vulnerável diante de pessoas. Às vezes isso é necessário porque tudo faz parte de você chegar à parte seguinte de si mesma, no dia seguinte. O diário nem sempre tinha razão.


Born into the lap of luxury and comfortable in the here and now, spoiled, tempestuous Tamara Goodwin has never had to look to the future--until the abrupt death of her father leaves her and her mother a mountain of debt and forces them to move in with Tamara's peculiar aunt and uncle in a tiny countryside village.Tamara is lonely and bored, with a traveling library as her only diversion. There she finds a large leather-bound book with a gold clasp and padlock, but no author name or title. Intrigued, she pries open the lock, and what she finds takes her breath away. Tamara sees entries written in her own handwriting, and dated for the following day. When the next day unfolds exactly as recorded, Tamara realizes she may have found a solution to her problems. But in her quest to find answers, Tamara soon learns that some pages are better left unturned and that, try as she may, she mustn't interfere with fate. 
I've read The Book of Tomorrow about a year ago and it was my fourth Cecelia Ahern book. The author got famous by the success of PS: I Love You, but her trademark are stories with a bit of fantasy and her female main characters that aren't exactly what we are used to find in leading ladies.

Altough I'm not a big fan of fantasy, this was the first thing that got my attention. Since I watched Being Erica (that show that I find I way to mention in as many posts as I can), I've developed an obsession with stories related to time, decisions and consequences. But I ended up finding the book too slow and what got me hooked was the other thing and mentioned: the main character.

I have serious issues liking female main characters, because that pattern good-guy/good-girl is boring. But, as I've said before, knowing the author, I could imagine that I wouldn't have this problem. Tamara is a horrible person (and I love horrible people). Or, at least, she thinks she is, she says she is, and she hurts because she is. I related with her a lot, specially when she says she makes it easy for people to leave when she makes them hate her. That's all that I needed to want to hug her and take her away from anyone who wanted to do anything bad to her - like aunt Rosaleen, who, besides making Tamara's life hell with the excuse of taking care of her and her mother, also helped to bring the mistery to the book.

Alongside the chapter, the mistery ends up being as important as the magical part of the story. Despite having read it some time ago, I remember thinking about theories all the time and trying to understand what was going on. Things get scary some times and Tamara had to be very brave to keep going. In the end, the book that sees the future isn't even that relevant (and I may say that no explanation is given about it) when compared to all the other revelations.

The Book of Tomorrow is basically a Mexican soap opera. Some of my theories even got close to what actually happened, but the truth is, even though no loose ends are left, I found everything very crazy and too dramatic. I don't regret reading it, it's not a bad book and, for me, the way I can relate to a character will always be more important than the story per se. Although it didn't become a favorite, it still left me with a good message and many good quotes.

I learned something important that night. You shouldn’t try to stop everything from happening. Sometimes you’re supposed to feel awkward. Sometimes you’re supposed to be vulnerable in front of people. Sometimes it’s necessary, because it’s all part of you getting to the next part of yourself, the next day.


CONVERSATION

Back
to top