8 dicas para quem quer estudar idiomas


Há alguns anos, eu escrevi um post com dicas para estudar idiomas sozinho. Foi na época em que eu cheguei a um nível razoável de Inglês e comecei a estudar Italiano. Foi também a época em que eu percebi que estava tomando gosto pela coisa e decidi que queria saber os 6 principais idiomas da cultura ocidental; além do Português, do Inglês e do Italiano, também coloquei o Espanhol, o Francês e o Alemão na minha lista.

Aquele post foi o mais visualizado dos 8 anos em que mantive o blog antigo e recebia visitas do Google até o momento em que o fechei. Hoje, faço aulas de conversação de Inglês, estudo Espanhol por uma plataforma online, sei um pouco de Italiano, e consigo entender algumas coisas em Francês. Não acho que seja muita coisa ou que eu tenha alcançado um grande feito - conheço gente muito melhor do que eu - mas me intriga ver pessoas dizendo que gostariam de aprender, mas acham que não são capazes e não fazem nada para mudar isso. Há 9 anos, eu era uma dessas pessoas. Eu não ouvia música em inglês, porque não entendia nada. Até que alguém me deu uma sacudida que mudou completamente minha atitude e só me trouxe coisas boas. Por isso, resolvi fazer essa compilação, não exatamente de dicas, mas de experiências que podem ser úteis.

8 dicas para estudar idiomas

1. Saiba o Português

Há pouco tempo, eu comentei em uma rede social que estou estudando Espanhol e uma pessoa respondeu: "Mim ensina". Eu já tinha a estrutura desse post toda pronta e nem me passara pela cabeça incluir este item, porque é algo tão fundamental.

Não me venha com essa desculpa boba de que não gosta do nosso idioma, que odeia o Brasil, que quer sair do país. Se você não se importa em falar corretamente o seu idioma materno, se você acha difícil aprender um idioma com o qual você convive o tempo todo, você acha mesmo que vai conseguir aprender outro? Não quero desencorajar ninguém, isso iria totalmente contra o propósito do post, mas saber - falar, escrever e entender - o Português como PRIMEIRA língua é tão imprescindível, que eu não deveria ter que te dar motivos para isso, mas darei.

Motivos para aprender bem o Português
  • Não adianta colocar "Inglês fluente" no currículo se você estragar tudo dizendo "mim contrata" na entrevista.
  • Há várias coisas semelhantes entre idiomas, especialmente as estruturas gramaticais. Quanto mais você aprende, mais fácil aprender.
  • Aprender idiomas não é uma questão de decorar significados, mas de saber se comunicar. Quem sabe se comunicar em um idioma, terá mais facilidade para fazê-lo em outros.
É claro que ninguém vai conseguir decorar a gramática inteira e esse nem é o objetivo. Todo mundo erra, todo mundo tem dúvidas, todo mundo pode aprender. Apenas não desista.

2. Queira aprender


Não sei se todo mundo que quer consegue (acredito que sim) ou se, de fato, há pessoas que são absolutamente incapazes de aprender um novo idioma. Mas de uma coisa eu tenho certeza: Você não vai conseguir aprender se não quiser. Eu odiava inglês na escola, passei 7 anos estudando pra não aprender nem a conjugar o verbo to be. Anos mais tarde, com a motivação certa, em poucos meses eu já estava evoluindo.

Quem tem que querer é você. Não são seus pais, seu chefe, marido, mulher, uma blogueira qualquer que quer convencer todo mundo com esse post... Tem que ser você.

Por que eu quero aprender idiomas?
  • Melhorar o currículo;
  • Manter o cérebro ativo;
  • Assistir filmes/séries sem legenda;
  • Entender as letras das músicas;
  • Ler livros que não foram publicados em Português;
  • Conhecer pessoas de outras nacionalidades.
  • Viajar para o exterior.
Com exceção do último, eu desfruto feliz de todos esses benefícios. Inclusive, uma das entrevistas que fiz para o meu emprego atual foi em inglês e antes dela eu tive que fazer uma prova de 10 páginas com redação. E só quem já passou por isso sabe o prazer de ler um livro que ainda vai demorar anos para ser publicado aqui ou poder assistir a um filme ou série sem precisar prestar atenção na legenda o tempo todo.

3. Encontre o seu método

Cada pessoa funciona de um jeito. Preste atenção em você. Como você tem mais facilidade para absorver informação? Você se expressa melhor de forma oral ou escrita? Quais são/eram os tipos de aula que você mais gosta/gostava na escola ou faculdade?

Se optar por uma escola tradicional, não se matricule na primeira que encontrar. Peça para ver o material didático, assista a uma aula experimental, pergunte sobre a metodologia.

Se decidir estudar por conta própria, teste vários sites, leia resenhas de livros, baixe amostras na Amazon, converse com quem já fez esse caminho. Inclusive, os comentários deste post estão abertos para isso, fique à vontade para interagir, perguntar, contar as suas próprias experiências.

Alguns sites úteis

  • Babbel: Os cursos são pagos, mas os aplicativos para vocabulário são gratuitos.
  • Memrise: É gratuito e possui uma infinidade de cursos, não apenas de idiomas, mas em várias áreas.
  • Duolingo: Um dos mais famosos, transforma o aprendizado em um jogo.

4. Use todos os recursos disponíveis


Certamente, a melhor forma de aprendizado é a imersão no idioma. Qualquer um de nós será obrigado a aprender caso tenha que ir parar em um país diferente. Como nem todos podemos passar por essa experiência de imersão completa, há outras formas para tornar o idioma o mais presente possível.

Alguns recursos que eu utilizo

  • Música: Além das músicas em Inglês, que ouço normalmente, tenho playlists de Espanhol, Italiano e Francês.
  • Séries e filmes: Já há algum tempo que não utilizo mais legenda para assistir em inglês. Agora, estou revendo episódios de algumas séries no Netflix e aproveito para colocar a legenda em espanhol.
  • Twitter: Recentemente, passei a seguir alguns perfis em espanhol. Se você está iniciando o aprendizado ou está estudando um idioma muito diferente do português, procure por perfis multilíngues. Um bom exemplo é o Papa, que tem contas em vários idiomas para tweetar a mesma coisa em todos eles.
  • Outros sites: Troque o idioma padrão das suas redes sociais. Você já sabe o que cada botão faz, não precisa ler o mesmo texto em Português todas as vezes, precisa?
  • Interação: Exercite sua escrita ao interagir com pessoas de todo o mundo. Mais uma vez, o Twitter é um lugar ótimo para isso, mas também existem blogs ou grupos no Facebook.
  • Post-its: Meus grandes aliados. Você pode escolher uma palavra nova por dia ou por semana e colar no seu monitor, por exemplo. Eu gosto de escrever versículos bíblicos, especialmente aqueles mais conhecidos. Às vezes, também uso para conjugar verbos. Seja criativo!
Tem mais alguma ideia? Compartilhe conosco!

5. Pratique

Pratique, pratique, pratique sempre. Mesmo que você não possa tirar muito tempo do seu dia, 1 minuto ainda é melhor do que nada. Se você acha que o seu tempo disponível não vai ajudar, volte e leia a dica 4 novamente. 

6. Incentive

Uma foto publicada por Cíntia Mara (@cintiamcr) em

Não seja egoísta; se você está aprendendo, por que não querer que seus familiares, amigos ou colegas de trabalho aprendam também? Além de ganhar companheiros para interagir no seu novo idioma, eles também irão te incentivar de volta.

Não critique ou desencoraje quem está começando; é normal cometer erros ou ter dificuldades em alguns pontos. Esteja disposto a ajudar.

7. Não pare

Estudar idioma não é como andar de bicicleta; se você pára, você esquece. Eu mesma estou muito enferrujada no italiano. Ainda consigo entender músicas ou até ler alguma coisa, mas não muito mais que isso. Mais uma vez: Queira aprender. Não ache que vai fazer um curso de férias de inglês e ser fluente para o resto da vida.

8. Desafie-se

Quando alguma coisa começar a ficar fácil, suba o nível, tente algo mais difícil. O cérebro gosta de dinamismo.

Já comentei aqui que gosto muito das músicas da Laura Pausini, certo? Algo que me faz gostar ainda mais é o fato dela ter versões de algumas músicas em mais de um idioma - às vezes, com letras bem próximas, outras, totalmente diferentes. Separei minhas favoritas e me desafiei a aprender a cantar todas em todos os idiomas disponíveis. É difícil, principalmente porque há muitas semelhanças entre o Português, o Espanhol e o Italiano, mas, quando conseguir, eu terei melhorado em dois idiomas ao mesmo tempo e de uma forma que não perderei, já que as músicas continuarão na minha playlist.


Agora que já contei bastante sobre as minhas experiências, compartilhe as suas! Vamos interagir, esse é um assunto que rende e sobre o qual eu adoro conversar (seja em qualquer idioma).

CONVERSATION

Back
to top