[D52] Fico sem graça quando...


Com março chegando ao fim, o post da semana do desafio veio mais cedo, para não colidir com o resumo do mês. Nem sei o que dizer sobre esse tema. É possível que eu fique sem graça só de falar sobre algumas dessas coisas.

Semana 13 - Fico sem graça quando...

1. Cometo um erro no trabalho

Esse é óbvio, não há nada que me deixe mais sem graça do que cometer erros. Uma vez, no ano passado, a chefe da minha chefe me mandou o convite para uma reunião que aconteceria dali a uma semana. Era uma terça-feira, eu acho. Eu vi terça-feira no convite e entendi hoje. Terminei o que estava fazendo, peguei meu notebook, avisei aos colegas e fui para a sala de reunião. Quando entrei, ela estava em uma teleconferência, e eu comecei a falar, acreditando que ela estava me esperando. Foi quando eu me lembrei da data real e quis enfiar a minha cabeça no buraco mais próximo. Ou pedir demissão e nunca mais ter que olhar para ela. A equipe inteira riu de mim o resto do dia e é muito provável que ninguém mais se lembre disso, mas eu nunca me senti tão envergonhada na vida.

2. Recebo elogios

Eu não sei receber elogios. Quando é no trabalho, eu finjo que está tudo bem, agradeço e sorrio (e a empresa tem toda uma cultura de feedback com a qual eu levei algum tempo para me acostumar). Quando é na internet, nunca sei o que responder. Quando é em alguma situação pessoal, eu sou dessas que faz algum comentário sarcástico autodepreciativo.

3. Caio na rua

Eu gostaria de não precisar incluir esse item, mas eu sou a rainha dos tropeços. Já contei sobre o incidente mais recente, que foi um dos piores, mas não o primeiro e, infelizmente, duvido que tenha sido o último. Eu já caí atravessando a rua pra pegar um ônibus (sim, sempre tem que ter um ônibus envolvido), meu livro voou para o outro lado da rua, pessoas tentando me ajudar e eu... preocupada com o livro. Já caí no meio do caminho entre a igreja que eu frequentava e o bar favorito do meu pai, tanto os meus amigos quanto os dele ficaram olhando, alguns vieram socorrer, e eu com medo de ter estragado o celular novo que estava no meu bolso. Já rasguei calça, já estraguei sandália. Não há muitas pessoas mais desastradas que eu no mundo.

4. Lembro de algum momento constrangedor do passado

Eu estou sem graça por relembrar a história que contei no item 1. Até hoje eu tenho vontade de bater a cabeça na parede quando me lembro de coisas que aconteceram na minha infância ou adolescência. Especialmente adolescência. Especialmente coisas que envolvam cartas de várias páginas para coleguinhas do sexo masculino. Especialmente se essas cartas continham marcas de batom e figurinhas da Ice Kiss.

5. Encontro semi-conhecidos na rua

Ninguém gosta de encontrar semi-conhecidos, né? Eu nunca sei como reagir. O que devo dizer? Devo parar ou só acenar? Devo sorrir? O quão feliz devo parecer ao encontrar um colega de trabalho de quem eu até gostava, mas que não vejo há cinco anos? Obviamente, a melhor solução é fugir.


O post quase não saiu (sexta-feira eu conto para vocês o quão complicado está sendo esse mês), mas agora, enquanto eu vou ali me esconder de tão sem graça estou por me lembrar de algumas coisas para escrevê-lo, vocês, por favor, sejam solidários e compartilhem as suas vergonhas comigo.

CONVERSATION

Back
to top