Underdogs de Jesus


Eu sou cristã. Sim, eu sei que a maioria dos leitores já deve saber disso. Eu sei que está no meu perfil da barra lateral e da página de posts. Mas sinto que é importante reafirmar, porque esse pequeno fato sobre mim é muito importante para esse post.

Já escrevi sobre autoestima e sobre vulnerabilidade. Já contei para vocês como eu sempre tive dificuldades para me abrir e como eu nunca achei que fosse uma pessoa boa o bastante para os padrões arbitrários que estavam na minha mente. Quando comecei a ir à igreja, aos 12 anos, eu esperava que Deus fosse consertar magicamente todos os defeitos em mim. Eu pensava que precisava ser boa e, para ser boa, eu precisava ser igual aos outros. Precisava gostar das mesmas músicas, vestir as mesmas roupas, frequentar os mesmos lugares. Por muito tempo, eu agi como as pessoas que eu pensava que estavam fazendo o certo, na esperança de que me tornasse como elas. Até que eu comecei a entender que a lógica de Deus não é exatamente essa.

So I tuck it all away, like everything's okay
If I make them all believe it, maybe I'll believe it too
So with a painted grin, I play the part again
So everyone will see me the way that I see them
(Stained Glass Masquerade - Casting Crowns)

Esse ainda é um assunto difícil para mim, primeiro porque todo texto pessoal é difícil, mas também porque eu gosto de ter as respostas antes de falar sobre as perguntas. A ideia desse post nasceu de uma conversa que eu tive com meus amigos em 2013. O primeiro rascunho que eu escrevi foi em fevereiro de 2014. Demorei dois anos para conseguir organizar as ideias. Mas enfim... Tudo começou com um tweet:
"Você acredita que Deus não apenas te ama, mas também gosta de você?"

Honestamente? Não, eu não acreditava. Eu entendo que Deus tenha decidido me amar e, em sua perfeita bondade, mantenha-se fiel a essa decisão, mas daí a gostar há uma diferença enorme. Tem dias que nem eu gosto de mim. Eu sou enjoada, eu implico com coisas bobas, eu apelo fácil, eu machuco as pessoas [de propósito], eu ignoro as pessoas de propósito, eu duvido, eu faço piada com o que não tem graça, eu sou toda cheia de erros. Como Deus, que é perfeito, pode gostar de mim? Não. Não faz sentido. E, lembrem-se, eu sou uma Garota de Exatas™. Eu acredito na Bíblia e acredito nos livros de Física, mas as coisas precisam fazer sentido, e aquilo não fazia.

Foi uma longa discussão. Até que o Felipe resolveu usar minhas próprias preferências contra mim.

http://cintiamcr.tumblr.com/post/62997277258/freakinkarev-again-why-do-i-love-this-guy-so

Eu tenho uma séria preferência por underdogs. Acho que todo mundo tem um pouco - e que atire a primeira pedra aquele que não torceu nem um pouco pela zebra da Costa Rica na Copa do Mundo - mas a minha é descarada. Sabe aquele personagem que resolve todos os problemas, não tem nenhuma fraqueza e é o melhor naquilo que faz? Esquece. Qual é a graça de acompanhar e torcer por alguém que é claramente superior ao resto? Todo mundo já sabe que esses serão bem sucedidos. A graça vem com a luta, com a surpresa, com a superação dos limites. Underdogs nunca te decepcionam; ou eles atendem às suas baixas expectativas ou te surpreendem.

Talvez, seja esse o motivo para Deus gostar de mim. E talvez seja isso o que falta pra gente entender verdadeiramente o que Ele quer de nós. Pra julgar menos e amar mais, pra sentar na arquibancada e torcer também. E eu não sei se esse post está fazendo sentido, porque, como sempre, as sentenças não saíram exatamente como eu planejara e agora já não sei exatamente para onde quero ir. Eu só sei que perceber isso fez uma diferença enorme na minha vida e é daquelas coisas que eu quero que todo mundo entenda também.

Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes;
1 Coríntios 1:27

Qualquer que seja a sua situação, Deus não apenas te ama por ter que te amar, ele também gosta de você e torce por você. Quaisquer que sejam suas dúvidas, seus pontos fortes e fracos. Eu ainda não tenho todas as respostas - pelo contrário, continuo cheia de perguntas - mas saber disso já é extremamente libertador.

CONVERSATION

Back
to top