[D52] Tenho medo de...


Eu sou bem medrosa. Este item é mais um daqueles que deveria ser escrito pela minha mãe, porque ela iria adorar listar todos eles e me fazer passar vergonha pra internet inteira ver. Tenho alguns medos sobre os quais eu nem conseguiria escrever e que já eliminei antes mesmo de fazer um rascunho do post, mas são tantos que nem foi difícil encontrar cinco.


Desafio das 52 Semanas - Semana 33

Tenho medo de...


1. Altura

Eu tenho MUITO medo de altura. Tanto o medo de cair - que, segundo Sheldon Cooper, é "prudente e evolucionário", mas também o medo de ficar presa em algum lugar alto sem conseguir descer. Meus maiores pesadelos costumam envolver lugares como esse da imagem e eu sempre acordo suando (às vezes, gemendo, chorando, gritando), porque eu sempre estou presa, é horrível.

Na primeira vez que viajei de avião, eu tive certeza que ia morrer. E toda vez que vou viajar, eu quase desisto na véspera. Mas, estranhamente, uma coisa que me acalma é sentar na janela e olhar para baixo, porque me dá uma sensação de controle.

2. Cachorro

Esse é um dos medos mais difíceis de controlar, porque as pessoas simplesmente não respeitam. Quem gosta de cachorro (e qualquer outro bicho, na verdade), na maioria das vezes, acha que todo mundo tem que gostar também. Aí eu desvio de um na rua e vem o dono me encher o saco que "nossa, ele é bonzinho, não faz nada, não" e me dá vontade de socar a cara da pessoa. E eu até ia colocar "gato e cachorro" nesse item, mas medo mesmo eu só tenho de cachorro, com gato é algo ainda pior, é um completo pavor de saber que, se ele se aproximar demais, eu não vou nem conseguir reagir, porque as minhas vias respiratórias vão se fechar e, mais uma vez, as pessoas vão me julgar em vez de ajudar. Jamais me convide para ir à sua casa se você tiver gatos ou se um cachorro que não fica preso.

3. Perder a memória

Eu sempre tive boa memória. Eu me lembro de coisas que aconteceram quando eu tinha menos de 2 anos. Por isso, fico apavorada só de pensar que um dia posso perder a memória. Recentemente, fiquei sabendo pelo Facebook que isso aconteceu com uma conhecida. Não sei detalhes, pois não tenho intimidade para perguntar, mas parece que ela simplesmente acordou e não se lembrava de nada. Vocês conseguem imaginar que coisa horrível? E ainda pior deve ser para essas pessoas com perda de memória recente, como nos filmes Como se fosse a primeira vez ou Como não esquecer essa garota (a vida, essa irônica, me fez esquecer o título do segundo filme em Português, tive que perguntar ao Google). Imagine você acordar todos os dias pensando que está em 2001 e alguém ter que te contar que, não, já é 2016. Você casou, teve três filhos, seus pais morreram, sua irmã virou petista e o Brasil perdeu de 7x1 na Copa do Mundo que você nem sabia que tinha acontecido aqui. Horrível.

4. Perder pessoas

Esse deve ser um dos medos mais comuns. Eu resisto a me apegar às pessoas porque sei que, quando isso acontece, eu sofro para desapegar depois. E não me refiro apenas a perdas por morte, mas tenho muito medo de alguém que eu conheço desaparecer (o que eu acho ainda pior que morrer). Deve ser a pior coisa do mundo. Também tenho medo de que as pessoas simplesmente saiam da minha vida depois que eu as deixei entrar e fiquei vulnerável. Claro que não dá para levar todo mundo para a vida toda, não me refiro a qualquer pessoa, mas aquelas que realmente importam, a quem eu me deixo conhecer e que, aos poucos, acabam se afastando. Aí, quando a gente percebe, não tem mais clima para mandar uma mensagem e daqui a pouco são apenas dois estranhos que atravessam a rua quando avistam um ao outro.

5. De ter medo

É bobeira, eu sei. Mas tenho certeza que não sou a única, se até o Lenine diz que "dá medo do medo que dá". Aliás, eu me identifico tanto com essa música que vou encerrar o post por aqui e deixá-los com ela.

CONVERSATION

Back
to top