[D52] Pessoas que eu admiro


Faltam duas semanas para terminar o ano, duas semanas para terminar o desafio e eu nem acredito que consegui chegar tão longe, mas esses posts acabaram salvando o blog das teias de aranha nos últimos dois meses. Este é o último tema "genérico", já que os dois últimos são temas de fim de ano, e é claro que não poderia ser algo fácil. Não que não existam muitas pessoas que eu admiro, mas a mente ficou um branco e acabei optando por não citar nomes, mas características. Não sei se está de acordo com a proposta de quem inventou o desafio, mas meu blog, minhas regras, agora não tem mais volta.

Desafio das 52 Semanas - Semana 50

Pessoas que eu admiro


1. Pessoas otimistas

Eu não tenho certeza se realmente as admiro ou se tenho raiva, porque realmente não sei lidar com otimismo exagerado. Mas, às vezes, só às vezes, eu gostaria de saber sempre enxergar o lado bom das coisas e acreditar um pouco mais que tudo vai dar certo. Não sei como os otimistas conseguem, eles devem se decepcionar o tempo todo.

2. Pessoas que sabem lidar com os sentimentos

Este deve ser o meu maior defeito, o que faz com que eu fique maravilhada com quem consegue conviver pacificamente com seus sentimentos, sem ter medo de expressá-los ou do que vira em seguida. Só de escrever sobre isso, eu já fico apreensiva. Novamente: Como conseguem? Talvez, ser otimista ajude.

3. Pessoas que ensinam

Ensinar é uma atividade das mais nobres, seja por profissão ou por qualquer outro motivo. É algo que exige desprendimento e um desejo de ver outras pessoas crescerem, um lugar em que não cabe egoísmo. Tive vários mentores em momentos distintos da minha vida profissional, admiro muito cada um deles e tento ser para alguém um pouco do que eles foram ou são para mim. Também admiro os professores, no sentido literal, porque imagino que seja uma das profissões mais difíceis, especialmente no Brasil.

4. Pessoas que adotam crianças

Adotar é algo que sempre tive vontade de fazer, porque acho uma atitude linda, principalmente quando não é feito por falta de opção. Não julgo quem quer ter um filho que compartilhe de seu próprio DNA, afinal, procriar faz parte da natureza humana. Mas admiro muito quem escolhe acolher como sua uma criança que não tem pais.

5. Pessoas que têm empatia

Não é fácil ter empatia e não é fácil encontrar empatia nos outros, quem consegue tem que ser admirado, amado, incentivado. Assim, quem sabe, nós não conseguimos espalhar um pouco mais esse de coisas boas no mundo, não é mesmo?

CONVERSATION

Back
to top