5 lições que podemos aprender com a Anitta


Se você acessou suas redes sociais nas últimas duas semanas, certamente viu algum link sobre ela. Sucesso no Brasil há quatro anos, ela continua subindo e conquistando mais espaço na mídia.

Um resumo para quem não acompanhou: Após realizar diversas parcerias, tanto com artistas brasileiros quanto de outras nacionalidades, a participação da moça na música Switch, da rapper australiana Iggy Azalea, a levou ao The Tonight Show, um dos maiores talk shows da TV americana. Primeira brasileira a se apresentar em um programa com tamanho alcance, Anitta não perdeu tempo e aproveitou sua estadia em Nova York para gravar o clipe do seu primeiro single totalmente em espanhol, Paradinha.

Devo dizer que eu nada sabia sobre ela além de ter ouvido uma vez ou outra seus maiores hits, mas fui vencida pela curiosidade a ouvir. (Não é meu estilo, mas ouçam Cravo e Canela, é bem bonitinha.) Mais do que isso, me encontrei lendo matérias sobre a moça e, em uma dessas, ela prendeu de vez a minha atenção.

Anitta está chegando aonde muitos gostariam. Sites internacionais especializados em música e entretenimento já a visualizam fazendo o mesmo sucesso de Carmen Miranda, comparam suas chances às de Ivete Sangalo e preveem que ela pode ser a próxima Shakira. Depois de ler uma matéria sobre ela no Portal R7, eu posso dizer com confiança que nada disso é por acaso.

Também não é pela bunda. O Brasil produz muitas bundas boas, se fosse só isso, teríamos muitas conterrâneas fazendo sucesso no mundo inteiro. Anitta tem muito mais que "her bunda": Uma gestão de carreira fortíssima e que pode ser exemplo não apenas para quem quer seguir a carreira musical, mas em qualquer área.

Não acredita? Eu te mostro.

5 lições que podemos aprender com a Anitta


1. Saber o seu lugar

"Como sou muito grande aqui no Brasil, minha carreira tomou proporções grandes, as pessoas esperam que a carreira comece já gigantesca nos outros países."
Qualquer pessoa que já mudou de emprego sabe o que é começar de novo. Por mais qualificado que você seja, por mais experiência que você tenha, ninguém ali te conhece, você vai ter que se provar. Se você nunca esteve nessa posição, talvez já tenha vivido o contrário ao olhar com desconfiança para algum funcionário novo. Eu já estive dos dois lados. Também já conheci pessoas que eram muito boas em uma atividade e exigiam uma confiança não merecida ao mudar para áreas completamente diferentes. Não é assim que funciona.

Se você está no topo da escada do primeiro andar de um prédio e quer ir para o segundo, o que você faz? Sobe o primeiro degrau da escada seguinte - você não pula logo para o último.

Há uma tendência a auto-exaltação na Internet que me preocupa. Dizem que "não tem problema se achar um pouco". Mas tem. Questão de lógica: Quem tem certeza de quem é não precisa achar nada. Não ache, saiba. Conheça os seus talentos, a sua capacidade, os seus pontos fracos, porque o mundo real não é uma página motivacional no Facebook.

2. Conhecer o seu mercado

"A minha pesquisa sobre a música em espanhol começou tem dois anos, que eu já viajava para outros países para entender a cultura. Nessas viagens, entendi que em pouco tempo as pessoas estariam consumindo a música em espanhol em todo o mundo. O que eu precisava fazer era fazer o brasileiro se acostumar com a música em espanhol."
Durante a minha pesquisa, vi alguns comentários sobre a falta de autenticidade e espontaneidade de Anitta. De fato, ela não parece ser aquela pessoa que quer cantar por amor e espalhar a sua arte, ela quer crescer cada vez mais. Em qualquer área, há quem esteja satisfeito com o que tem e há quem queira mais. Não há absolutamente nada de errado em optar por um ou outro. Porém, se você quer continuar subindo, não dá pra trabalhar como se quisesse ficar parado. Tem que ir pro mundo (ainda que o mundo esteja online), saber o que os outros estão fazendo, se antecipar. Isso acontece tanto na música quanto na Tecnologia, que é a minha área, e aposto que em muitas outras.

3. Aprender

"Chamei várias pessoas de países diferentes para deixar o meu sotaque o mais neutro possível. Depois do resultado, mostrei. Quem escreveu em espanhol fui eu. Só tive o professor do lado para saber se estava escrevendo certo. Já tenho aula de espanhol faz um tempo."
Não basta conhecer o que os outros estão fazendo, você tem que saber fazer. Dependendo da sua área de atuação (a minha, por exemplo), parar de estudar não é uma opção para quem quer crescer, tem que correr atrás o tempo todo.

Antes de se tornar conhecida, Anitta estudou Inglês e Administração. Hoje, também fala Espanhol. Eu sou uma grande entusiasta do aprendizado de idiomas, uma nova língua é um dos maiores presentes que você pode dar a si próprio e indispensável para quem quer seguir carreira em um mercado internacional - seja artista ou analista de sistemas ou qualquer outra coisa. Infelizmente, nem sempre as oportunidades chegam tão rápido quanto gostaríamos, mas, se e quando chegarem, não as perca por falta de preparo!

4. Fazer o seu melhor

"Me preparo muito e não faço nada de que não tenha absoluta certeza de que estou fazendo bem feito. Pode fracassar? Pode. Mas tenho certeza de que dei o meu melhor."
Não é clichê de palestra motivacional, é questão de lógica: Se você já sabe que está fazendo algo ruim, como espera que os outros gostem? Como espera que os outros lhe paguem para isso?

Não gostar do que está fazendo não é desculpa para você fazer mal feito.
Não estar vendo resultados não é desculpa para você fazer mal feito.
Os outros fazerem mal feito não é desculpa para você fazer mal feito.

O mundo real não aceita desculpas, seja adulto e faça o que você sabe fazer da melhor forma que conseguir. Muitos fatores contribuem para o sucesso ou fracasso de alguém, e esse é um dos poucos sobres os quais nós podemos ter controle. Não abra mão disso!

5. Planejar - Até onde você pode ver

"Não estou fazendo nenhum planejamento daqui em diante para fora do país. Todo o meu planejamento foi até aqui porque não se compra um sucesso. A gente tem como fazer uma música que acredita que é incrível. A gente tem como fazer um clipe que acredita que é incrível, apostar no que a gente acredita, mas não tem como ter certeza do que vai dar certo. Então, primeiro preciso ter feedback do público, saber o resultado dessa música."
Por último, minha parte favorita da entrevista.

Eu adoro planejar. Em janeiro, eu planejei todos os livros que queria ler e todos os episódios de série que queria assistir durante todo o ano de 2017. Com menos de dois meses, deu tudo errado, por motivos que fugiam ao meu controle. Não posso dizer que fui pega de surpresa; quanto mais longe tentamos enxergar, mais chances de errar.

Tenho estudado muito sobre isso ultimamente. Talvez vocês já tenham me visto falar em Scrum, um conjunto de técnicas e ferramentas para desenvolvimento de software que tem como objetivo desenvolver com mais qualidade e entregar mais valor aos clientes. Acontece que, embora tenha nascido na indústria de TI, o Scrum tem muita coisa que serve para a vida. Dois pontos importantíssimos que venho tentando aprender dizem respeito a priorização e planejamentos de curto prazo (em geral, 2 semanas).

Não que você não possa fazer um plano de 5, 10, 15 anos, mas você vai trabalhar na granularidade desses planos. Eu posso almejar fluência em 5 idiomas até 2027, posso me planejar para estudar Espanhol 5 vezes durante 30 minutos na próxima semana e posso separar os temas que estudarei amanhã. São níveis de detalhamento completamente diferentes, não dá pra colocar no calendário que eu vou estudar a unidade 53 do curso de Francês no dia 10 de janeiro de 2026.

Um bom planejamento prevê que existirão imprevistos e se retroalimenta deles. É aí que eu quero chegar e foi por isso que essa carioca de 24 anos chamada Larissa ganhou minha torcida. Porque, mesmo não gostando das músicas, se tem uma coisa que eu respeito nessa vida é gente inteligente.

CONVERSATION

Back
to top