Na minha playlist


Quem acompanha o blog sabe que eu não sou ninguém sem meus fones de ouvido. O Spotify é de longe o aplicativo mais utilizado no meu celular, e minha playlist principal tem, no momento em que este post está sendo escrito, 1819 músicas (que estou já há algumas semanas ouvindo em ordem alfabética, já que a reprodução aleatória do Spotify é péssima e sempre toca as mesmas faixas). Mesmo assim, eu sempre estou procurando coisas novas.

Há algum tempo, saí à caça, pedindo indicações no Twitter, ressuscitando antigos comentários dos amigos e até tentando me lembrar daqueles artistas que guardei para ouvir melhor depois e acabei nunca voltando (ainda tenho vários desses guardados para a próxima crise).

Selecionei aqui oito artistas, em quatro estilos diferentes, que entraram para a minha lista em 2017.

Na minha playlist


Anavitória


Qualquer um que use as redes sociais já conhece Anavitória. Inclusive, 99% de vocês deve ter conhecido antes de mim. Confesso que eu ouvia falar e tinha preconceito, pois confundia Anavitória com Ana Vilela - cantora e compositora acusada de cometer Trem Bala, aquela música chata que sempre está tocando quando você entra em um carro qualquer. Assim, só descobri que se tratam de pessoas diferentes quando uma pessoa de confiança me indicou a dupla, cujo álbum de estreia foi merecidamente indicado ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Pop Contemporâneo.

Desde a popularização dos MP3 players na década passada, nós perdemos o costume de ouvir álbuns completos, então eu sempre me surpreendo quando encontro algum que me prende do início ao fim. Na verdade, me surpreendo quando consigo associar uma música diretamente a um álbum, não existe mais essa identidade. ANAVITÓRIA - o álbum, assim em caixa alta mesmo - tem essa identidade sem se tornar chato. É o tipo de música que eu gosto de ouvir ao final de um dia de trabalho, cantando e me perdendo na inocência das canções de amor.


Lorena Chaves


Conheci a Lorena da mesma forma que conheci Anavitória: Indicação da Annie no Twitter. Ao contrário do que normalmente acontece, minha identificação com ela foi instantânea: na metade da primeira música, eu já sabia que tinha gostado.

A Lorena é uma mulher cristã e as entrelinhas das letras dela refletem sua fé de forma natural, pendendo mais para MPB que para o padrão do "gospel" nacional. Ela fala sobre amor, sobre bondade, sobre sonhos e esperança.


Rachel Platten


Dentre as internacionais, meu estilo de música favorito - se é que se pode chamar de estilo - é aquele que gravita entre as variações do pop e do rock, de preferência com vozes femininas. Até tenho alguns artistas e bandas masculinos de que gosto, mas, como gosto de cantar e tenho o tom agudo demais para qualquer música que foi pensada para eles, aqui as mulheres dominam (como podem ser facilmente percebido neste post ou em todos os outros sobre música que já escrevi no blog).

Uma coisa que gosto de fazer é ir à página de alguém de que gosto no Spotify e ver os artistas semelhantes. Foi assim que conheci Rachel Patten, bem na época em que ninguém mais aguentava Fight Song. Ao contrário do resto do mundo, a primeira que ouvi foi Nothing Ever Happens que, ao contrário da canção mais famosa de Rachel, tem uma pegada mais indie e acabou me encontrando no momento ideal para que a letra fizesse sentido o que fez com que a cantora entrasse definitivamente para a minha lista.


Tristan Prettyman


Conheci a Tristan da mesma forma que conheci a Rachel, com a diferença que, com este nome, de início eu pensei que ela fosse homem. Um homem bastante pretensioso, diga-se de passagem - Tristão Homem Bonito, em bom português - a que não dei a devida atenção. Algum tempo depois, Perfect Storm acabou chegando aos meus ouvidos e me interessei. O estilo dela - um pop rock alternativo - é bem parecido com o da Sara Bareilles, mas sua voz é um pouco mais suave. Também é bom para cantar. Sua Who We Are acabou sendo uma das minhas músicas favoritas dos últimos tempos.


Pink


Todo mundo conhece a Pink, maravilhosa, diva etc. Dispensa apresentações. Eu também já conhecia, mas costumava me restringir aos covers do The Voice US, quando assistia ao programa, só agora passei a ouvir de verdade. Minha lista precisa de mais mulheres que cantem rock. As garotas Barlow continuam sendo minhas favoritas, cinco anos após o fim da banda, mas alguma companhia está sendo muito bem vinda.


Plumb


Outra companhia feminina em um estilo que costuma ter muito mais homens. Plumb tem um estilo parecido com o da Pink, um pouco mais leve e com um viés cristão como o da Lorena. A música que me chamou a atenção foi Unlovable. Lançada em 2013, a música é cada vez mais atual ao falar da disparidade entre o amor que Jesus prega e a intolerância de alguns que dizem seguir os seus ensinamentos.


Coeur de Pirate


Com um nome artístico curioso, a cantora canadense Béatrice Martin já passeou pelas minhas playlists há alguns anos, mas acabou ficando esquecida quando deletei os mp3 do meu computador para usar o Spotify. Voltei há pouco tempo, quando iniciei a loucura de estudar Espanhol, Italiano e Francês ao mesmo tempo (mais sobre isso no futuro). Coeur de Pirate tem dois álbuns em Francês e mais alguns em Inglês (que eu, confesso, não ouvi). As músicas dela parecem tranquilas e fofas para quem não entende o idioma, mas algumas das suas letras são um pouco mais sombrias do que eu esperava, o que me deixou curiosa para aprender todas. Minha favorita no momento é La vie est ailleurs (A vida está em outro lugar), que não é sombria, mas um melancólica e poética.


Emilie-Claire Barlow


Outra canadense, Emilie-Claire Barlow canta jazz, samba e bossa nova em Inglês, Francês e Português. Eu não entendo de música tanto quanto gostaria, mas sei que meus ouvidos gostam muito mesmo dessa mistura, é uma ótima dica para quem gosta de qualquer um desses ritmos.



Agora vocês já conhecem um pouco mais do que eu ando ouvindo, então, eu quero conhecer o que vocês ouvem. Conhecem algum desses? Conhecem alguém parecido? Os comentários estão logo aqui embaixo, fiquem à vontade, vou adorar conhecer as suas indicações.

CONVERSATION

Back
to top