TEDx Nova Lima 2017 - Eu fui


Eu sempre fui uma daquelas pessoas curiosas. Não curiosa de querer saber o que estão falando do outro lado da sala ou por que os vizinhos ao lado estão gritando, mas de fazer muitas perguntas - e enlouquecer meus pais que nem sempre sabiam respondê-las. Ter muitos interesses é ótimo, mas também pode ser um problema quando tempo e dinheiro são recursos limitados.

Há alguns anos, no meio de tantos links brigando pela minha atenção na Internet, eu descobri um lugar que é tanto o paraíso quanto a ruína para os curiosos: o site da TED.

TED - acrônimo de Technology, Entertainment and Desing - é uma organização focada na distribuição de ideias, assim como diz seu slogan "Ideas worth spreading". A conferência, nascida no Vale do Silício em 1984, hoje ocorre todos os canos em Vancouver, com cerca de 100 palestrantes diversos. Infelizmente, o custo de oito mil dólares (sem contar passagens e hospedagem) é alto demais para que eu possa sequer sonhar em participar, então, gasto apenas o tempo no site assistindo talks sobre os mais variados assuntos.

As TEDx, por outro lado, são eventos independentes e locais, organizados em todo o mundo por pessoas que compartilham da paixão pelas ideias. Algumas dessas pessoas estavam aqui, perto de mim em Minas Gerais, e trouxeram a Nova Lima 15 palestrantes para falar sob o tema Brasil polifônico - vozes que ecoam na cidade.

Fonte: Divulgação
A simpática professora Maria das Graças Bittencourt abriu nos fazendo cantar uma velha cantiga infantil para seguir falando sobre as mudanças que o PROALFA alcançou na educação fundamental das escolas mineiras ao fazer algo óbvio e colocar o aluno em foco - o que me lembrou bastante das práticas de Design Thinking que ganham cada vez mais espaço no desenvolvimento de software, mas isso é conversa para outro momento. Em seguida, o empreendedor Lucas Gonzalez falou de sua experiência no mercado de trabalho, dando dicas que devem ter sido bastante úteis para quem está começando.

Único dos quinze que eu conhecia um pouco mais, o pastor Ed René Kivitz falou sobre a reforma protestante e os erros cometidos pela Igreja ao longo da história, em uma talk lúcida que pode agradar a cristãos e não cristãos que estejam dispostos a dialogar num tempo de muitos atritos. Em um enorme contraste - talvez proposital - com o palestrante anterior, e também mais lúcida do que eu esperava para alguém que fala em empoderamento e carrega com orgulho a bandeira feminista, Carol Teixeira falou sobre sexo e sobre a relação entre as mulheres e a vagina.

Sérgio Myssior, arquiteto e único representante das Ciências Exatas (sim, Arquitetura é ciência exata), entregou a palestra que eu menos gostei, o que foi uma pena para a Garota de Exatas que eu sou. Pouco à vontade no palco e trocando o peso das pernas com mais frequência do que o aceitável para manter o seu público concentrado, ele falou sobre cidades e educação ambiental. Com muito mais desenvoltura, Guilhermina Abreu o seguiu abrindo duas narrativas paralelas para contar a saga do seu time - aquele outro mineiro que não é o meu Cruzeiro, como é mesmo o nome? - na Copa Libertadores da América de 2013 ao mesmo tempo em que falava sobre a realidade de estudar em uma escola pública no Brasil e do empreendedorismo social que ela realiza hoje. Nos dois casos, ACREDITAR (habilidade que, devo admitir, atleticanos possuem em maior quantidade do que quem está acostumado a ganhar mais) mesmo nas horas difíceis foi fundamental.

Na talk mais séria até então, o juiz federal Carlos Haddad falou sobre a enorme quantidade de processos tramitando no judiciário brasileiro e mostrou como a terceira vara de Betim otimizou seus resultados utilizando métodos que me lembram bastante do sistema Toyota de produção e as metodologias ágeis que utilizamos na TI. Fechando a primeira parte, a jornalista Didi Couto emocionou ao contar pequenas histórias de pessoas que a procuram para dizer que ela, negra, os representa.

Uma publicação compartilhada por Cíntia Mara (@cintiamcr) em

Voltando do intervalo, o economista e educador Ricardo Paes de Barros retomou o tema educação, dessa vez falando sobre os problemas do Ensino Médio no Brasil e, infelizmente, sem apresentar uma solução. Foi seguido pelo jornalista Matheus Leitão, filho dos também jornalistas Marcelo Netto e Míriam Leitão, que falou sobre encontrar o homem que delatou seus pais e os levou a ser torturados durante a ditadura militar - história que ele conta no seu livro Em nome dos pais. Focando no perdão não apenas pessoal, mas no fato de o Brasil ainda não ter feito as pazes com essa parte obscura do nosso passado, Matheus entregou uma das melhores talks.

Mais leve, o simpático Davi Lago, que se caracteriza como pacificador, falou do seu amor pelo Brasil, cujos 26 estados ele já teve a sorte de conhecer. O tema combinou com o de sua sucessora, a ativista política Alessandra Monteiro, me surpreendeu ao incentivar o engajamento político de forma neutra e apartidária - além de ter sido uma pessoa ótima para conversar no Meet & Greet que ocorreu após as palestras. Ainda falando do nosso país, veio o jurista e professor Rodolfo Viana com a mais divertida das talks, sobre a vaidade brasileira, tanto no nível individual quanto no nível nacional.

A mais conhecida dentre as amigas com as quais eu conversei com a TEDx era Paola Antonini, modelo e youtuber mineira, cuja vida mudou drasticamente após ser atingida por uma motorista bêbada e perder a perna esquerda nos últimos dias de 2014. De salto alto e um vestido curto que exibia sua perna prateada, ela falou sobre essas mudanças.

Para fechar, o procurador da república - também conhecido como "aquele menino da Lava Jato" - Deltan Dallagnol falou, como não poderia deixar de ser, sobre a corrupção que destrói o Brasil e terminou com a recomendação, que estendo aqui a todos, para pesquisarmos os candidatos que são a favor do pacote anticorrupção para as eleições de 2018.

Uma publicação compartilhada por Cíntia Mara (@cintiamcr) em

É impossível resumir uma tarde inteira de palestras em apenas um post. Todas as talks foram gravadas e devem ser disponibilizadas no canal das TEDx no Youtube, mas pode demorar um pouco, pois são muitos eventos acontecendo todos os dias. Assim que eu as vir disponíveis, atualizarei o post com os links e postarei minhas favoritas nas redes sociais.

Eu gostei de quase todos os palestrantes. Inclusive, gostei de ter comprado o ingresso que dava direito ao Meet & Greet (o que só aconteceu porque os ingressos mais baratos já haviam esgotado) e até me arrependi por não ter escolhido a opção que incluía um jantar com os palestrantes. Apesar de alguns problemas clássicos de organização e da falta que senti de palestrantes da minha área (compensada, em parte, pelo apresentador Roberto Francisco de Souza - engenheiro, empresário, ativista social e evangelista da tecnologia), foi uma experiência incrível que pretendo repetir sempre que tiver a oportunidade. E você também pode! Em outubro, estão programados eventos em Fortaleza, Balneário Camboriú, Sorocaba, Porto Alegre e São Paulo, alguns ainda com espaços disponíveis. Para ver todos, acesse a agenda de TEDx. Participe de uma e não se esqueça de vir aqui me contar como foi. Enquanto isso, eu sonho com o dia em que, quem sabe, estarei do outro lado falando para pessoas que estejam tão fascinadas quanto eu estava.

CONVERSATION

Back
to top