Bons ares argentinos - Parte 1


Há cerca de um mês, eu embarquei na minha segunda aventura internacional - da vida e do ano - rumo à capital Argentina, onde passei quatro dias e meio de muita caminhada e muitas fotos, sobre os quais quero falar um pouco neste post.

Primeiramente, devo dizer que não conheci tudo o que gostaria, porque é impossível esgotar uma cidade como essa em tão pouco tempo. Ficar pouco tempo foi uma escolha, assim como os lugares que priorizei, juntamente com minha amiga e companheira de viagem, Márcia. Digo isso porque, sempre que viajo para um lugar novo, chovem recomendações, e há uma tendência insuportável do ser humano de pensar que todos devem ser iguais a ele. Eu me culpo por muitas coisas na vida, mas não visitar um lugar que TODO MUNDO TEM QUE IR não será uma delas. Espero, porém, voltar à cidade um dia para conhecer o que ficou pendente da minha lista, incluindo alguns lugares que estavam em reforma.

Agora sim, venha comigo para conhecer um pouquinho de Buenos Aires.


Chegada

Chegamos na segunda-feira à tarde, em um vôo da Azul direto de Belo Horizonte ao aeroporto Ezeiza. Fomos recepcionadas pela Sthephanie do receptivo Ondas Buenas, que nos levou ao aeroporto, explicou várias coisas sobre a cidade e entregou o kit que adquirimos, composto por, entre outras coisas, adaptador de tomada, chip para celular e cartão de ônibus/metrô. Mais do que isso, a Sthephanie foi uma verdadeira amiga durante toda a nossa estadia, respondendo às nossas dúvidas, dando dicas e nos apoiando em tudo. A quem pretende visitar a cidade, recomendo visitar o site e ver os serviços oferecidos, pois valeu muito a pena.

Ficamos hospedadas no hotel Íbis Buenos Aires, na Plaza del Congreso. Não é no microcentro, mas perto o bastante para ir a pé a vários lugares e a poucos metros do metrô.

Uma publicação compartilhada por Cíntia Mara (@cintiamcr) em

City Tour Dia

Uma coisa que eu aprendi quando estive no Chile foi a apreciar um bom City Tour, e na Argentina não foi diferente. Sempre fui dessa turma que acha besteira, desperdício de dinheiro, mas, se feito no início da viagem, é uma ótima oportunidade para ter uma visão geral e escolher aonde você quer voltar depois. Foi o que fiz desta vez.

O City Tour escolhido foi o Buenos Aires Bus, cujas duas rotas totalizam mais de 30 pontos em vários bairros da cidade.

Buenos Aires é uma cidade que, como dito por um brasileiro que mora lá, tem mania de grandeza. As ruas são largas - cheguei a atravessar uma avenida com 14 pistas -, os prédios são majestosos e há muitos monumentos em todos os lugares. Estar sobre um ônibus aberto é bom para ver esse tipo de coisa e, embora a cidade seja bastante segura se comparada com as principais capitais brasileiras, também é bom para poder fotografar sem medo.

Floralis Generica - Buenos Aires
Floralis Generica, também conhecida como "a flor gigante de metal"

City Tour Noite

Uma opção diferente para conhecer a cidade é o tour Buenas Noches, oferecido pela Aires Buenos que, assim como a Ondas Buenas, é uma empresa brasileira que presta serviços principalmente para brasileiros. Eu já tinha visto todos os pontos durante o dia e não faria o mesmo tour duas vezes nos dois horários, mas o itinerário do City Tour Dia inclui muitos outros pontos, então ainda valeu a pena fazer os dois.

A mania de grandeza da cidade deixa Buenos Aires ainda mais bonita à noite. Paramos primeiro na Floralis Generica, cujas pétalas se fecham e se iluminam ao pôr do sol. Infelizmente, não há um mecanismo que faz isso automaticamente. A única física envolvida para detectar quando o sol está se pondo é o olhar da pessoa que monitora e aperta um botão. Frustrante, eu sei, mas a visão da flor iluminada continua sendo bonita.

Ainda mais bonita é a vista do Planetário iluminado. Eu queria muito ter visitado o Planetário, mas ele estava em reforma, então tive que me contentar apenas com a visão externa. Certamente estará na minha lista de prioridades para uma próxima viagem.

Planetário - Buenos Aires
Planetário
A parada seguinte foi a melhor parte do passeio, uma caminhada pelo famoso Puerto Madero, um bairro novo, moderno e rico, separado do restante da cidade por pontes que incluem a também famosa Puente de La Mujer.

Por último, paramos na Plaza de Mayo, onde se encontra a Casa Rosada, sede do governo argentino, com sua cor característica e uma assimetria que não passa despercebida. A Plaza também tem alguns monumentos e muita história. É lá onde se encontram e marcham as Madres de Plaza de Mayo, que ainda buscam justiça para seus filhos mortos ou desaparecidos durante a ditadura militar no país.

Puente de La Mujer - Argentina
Puente de La Mujer
O tour termina com champanhe no 21º andar de um prédio na Avenida Corrientes e uma bela vista da cidade.

Além dos dois tours, nós andamos muito por nossa conta, mas essa parte vai ficar para um próximo post, onde falarei de cada bairro que visitamos. Agora, quero falar da única coisa que realmente me decepcionou na viagem.

Comida

Quando estive em Santiago, no Chile, em abril deste ano, eu comi muito bem e fiquei muito feliz com a variedade de opções. Quando estive em Puerto Iguazu, também na Argentina, em abril do ano passado, minha única refeição foi um almoço delicioso. Essas duas experiências gastronômicas bem sucedidas me deixaram otimista quanto ao que encontraria em Buenos Aires. Ledo engano.

Sim, sinto muito, mas a comida portenha é ruim, e minha opinião foi compartilhada por praticamente todos os brasileiros que encontramos por lá. Os restaurantes de rua possuem poucas opções, a maioria focada em pedaços enormes de carne sem nenhum tempero. E os fast foods dos shoppings conseguiam ser ainda piores. O que me salvou foram as cafeterias, que sempre tinham croissants e saladas Caesar. Até mesmo o jantar na casa de Tango foi decepcionante.

Tango

Por último, vamos falar sobre a experiência mais incrível e diferente dessa viagem. Alguns chamam de "show", mas acho que a expressão correta tem que ser Espetáculo de Tango.

Cheguei à casa de shows esperando ver um casal dançando duas ou três músicas e me assustei quando descobri que a duração prevista era de 80 minutos. Bateu o arrependimento. Quase uma hora e meia vendo pessoas dançarem? Eu nem gosto tanto assim de dança! Este foi meu segundo grande engano da viagem, mas, ao contrário da comida, as expectativas foram superadas, e muito.

Eu não gosto tanto assim de dança, mas eu amo uma história bem contada e é isso o que o espetáculo faz. Alternando o foco entre a banda, dois cantores e a dança, o Piazzolla Tango conta uma história ao longo de cada uma das muitas canções. A história está nas letras das músicas, na intensidade dos instrumentos, na expressão dos dançarinos. Fiquei tão envolvida que tenho até personagens favoritos, um casal que dançava as músicas mais alegres e sorria um para o outro (não o da foto, esse era mais dramático).

Piazzolla Tango - Buenos Aires
Piazzolla Tango
É um programa que eu recomendo a todos e espero voltar à cidade algum dia para conhecer outras casas. Para quem vai pela primeira vez, pesquise sobre as opções e escolha a que melhor se encaixar no que você deseja, tenho certeza que também será uma experiência maravilhosa.

Cenas do próximo capítulo

Como sempre, não cabe tudo em um único post. Na próxima semana, vou falar um pouco dos bairros Palermo, San Telmo e Recoleta, e também dos pontos turísticos do centro. Espero que tenham gostado dessa primeira parte.

CONVERSATION

Back
to top